Política de Parcerias

POLÍTICA DE PARCERIAS DA CONVENÇÃO BATISTA PARAIBANA

Aprovada na 80ª Assembléia anual da CBPB em 2005

1. DA NATUREZA

As Parcerias CBPB terão por finalidade única a plantação de igrejas, bem como a revitalização de outras, priorizando apoiar Igrejas estratégicas para a política de evangelização da Convenção Batista Paraibana.

2. DAS RESPONSABILIDADES

2.1 As Parcerias serão sempre firmadas com uma igreja mãe ou uma entidade missionária reconhecidamente idônea.

2.2 A convenção responsabiliza-se exclusivamente com a proposta participativa decidida nos termos da parceria, devidamente concordada entre as partes, cabendo a “igreja mãe” todas as demais responsabilidades com o sustento do trabalho e do missionário.

2.3 O obreiro será sempre da Igreja local e nunca da Convenção, embora a Convenção exerça denominacionalmente o apoio e assessoria aos trabalhos das Igrejas locais.

3. DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

Todas as parcerias com a Convenção Batista Paraibana deverão ter por fator inegociável o plano previdenciário Federal (INSS) autônomo, por carnê, na proporcionalidade do valor pago na parceria, ficando o restante obviamente assumido pelas partes contratadas na referida proposta.

4. DO VALOR FINANCEIRO DOS CONVÊNIOS

4.1 O valor financeiro máximo e bruto de paticipação da C.B.PB. nos convênios  será no valor de R$ 300.00 (Trezentos Reais), e aceitando como outra parte do convênio o valor mínimo de R$ 250.00 (Duzentos e Cinquenta Reais).

4.2 A CBPB não poderá firmar mais de uma parceria para um mesmo projeto.

4.3 Esses valores poderão ser reajustados quando da elaboração e aprovação do orçamento anual da CBPB.

4.4 O valor da parceria será orçada juntamente com o recolhimento da previdência social. Ex: Salário de R$ 260.00 mais INSS. (12%) R$ 31.20 = Total R$ 291.20 (Duzentos e Noventa e hum Reais e vinte e centavos). Será debitado ainda da remessa salário do beneficiário o desconto de 8%, perfazendo um total de 20% de desconto, conforme forma nacional padrão de desconto.

5. DOS PRAZOS

5.1 A data final da parceria trata-se do fim do compromisso das partes.

5.2 Ter o período de três anos como tempo máximo de investimento num mesmo projeto.

5.3 Em caráter EXTRA-ORDINÀRIO, a critério exclusivo da Convenção, a parceria poderá ser prorrogada por mais um ano e excepcionalmente por mais um último.

 

5.4 Os valores destes períodos se darão exclusivamente na forma: (03 anos 100%; 4º ano 75% e 5º ano 50%)

6. DA SELEÇÃO E ACOMPANHAMENTO 

6.1 Todas as parcerias serão precedidas por uma entrevista de caráter: Vocacional, Moral e Técnico, a ser efetuada pelo Secretário e pelo menos mais 02 membros da CEM, imprescindível e eliminatório ao interesse da Convenção na participação desta parceira. Fica ainda válido o critério da observação contínua do desempenho do missionário, sob possibilidade extrema, porém real de solicitar à entidade parceira a substituição do missionário, ou dissolver a parcerias em caráter definitivo a qualquer tempo.

 

6.2 O prazo da parceria obedecerá o tempo de investimento no projeto, independendo de possível troca de obreiro.

7. MEDIDAS DE TRANSIÇÃO

7.1 Estando alguns missionários com parcerias expiradas, foram devidamente avisados da última e extra-ordinária remessa em 02/05.

7.2 Extra-ordinariamente cada parceria vencida deverá ser tratada particularmente, visando uma observação individual dos casos, podendo ser mais moderado e eficaz na implantação da N.P.C. O parecer do acertado com cada pastor deverá ser enviado a liderança da Igreja como ex: Comissão de orçamento, finanças, ou corpo diaconal.

 

7.3 Ainda enviar até junho apenas estas parcerias vencidas para uma melhor adaptação financeira do projeto, não se aplicando isto as demais parcerias de vencimentos vindouros.